Milton Gonçalves, o ativista das causas da cor preta!

Milton Gonçalves

Quero resgatar aqui o griot, o irmão que marchou com nosso povo na Marcha Contra a “Farsa da Abolição, Nada Mudou Vamos Mudar”, em 11 de maio de 1988, no Rio de Janeiro. Foi aí que o conheci pessoalmente, dialogando sempre, colocando seu corpo de resistência, também no enfrentamento as forças opressoras. Novamente e sempre em vários outros cenários de lutas contra o racismo estrutural, pelos nossos corpos negros e negras.

Presença marcante também nas plenárias, encontros em defesa das artes populares, urbanas e periféricas. Presença marcante, na sua voz, para com diálogos estabelecer um lugar ideal, de harmonia, fundamentada em leis justas, em instituições que promovam acesso político-econômico que promovam o bem-estar da coletividade.

Em 1995, enquanto conselheira do CEDIM, eleita pelo Fórum de Mulheres da Baixada Fluminense, organizamos o “Tricentenário da República de Palmares”, a exposição “A Mulher Negra”. Quando ele me encontrava dizia que eu parecia com a filha dele, só não sei com qual delas, Catarina ou a Alda. Força Negra para a Família e Amigues. Atuando agora no Orun.

Àsé. Adupé!


Sílvia de Mendonça

Formada em jornalismo e produção cultural, Sílvia de Mendonça também é atriz e ativista do Movimento Negro Unificado (MNU). Também tem presença nas lutas contra intolerância religiosa, juventude negra e direitos humanos.

More Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.