A eleição que se aproxima tem chegado com alguns elementos curiosos que são grandes testes para saber se Duque de Caxias vai de fato conseguir superar o atraso e o obscurantismo reinantes por aqui nas últimas décadas.

Um desses elementos é realmente crucial: o peso que a Internet e as redes sociais terão no processo de escolha dos candidatos. Não falo nem de avaliação das propostas de candidatos, porque propostas concretas é algo raro vindo da maioria dos postulantes ao pleito, bastando para constatar isso uma simples pesquisa.

Falo mesmo é da possibilidade de romper com os votos de cabresto, os votos baseados na coerção e na ignorância. A esperançosa possibilidade de romper com a nefasta prática de centros sociais de vereadores e deputados, prática essa que deveria ser criminalizada, mas que infelizmente é tida como normal e usada escancaradamente para alavancar mandatos às custas da miséria do povo.

O chamado voto de opinião é algo raro por aqui, mas com a popularização das redes sociais, principalmente o Facebook e o Twitter, a impressão é que toda a galera que trabalha e vive fora da cidade começou a se perguntar porque diabos Caxias é tão tosca. Porque não pode ser diferente? Uma vez que dinheiro não é problema, qual a questão?

A possibilidade de se consultar fotos, vídeos, textos sobre qualidade de vida e experiências interessantes acontecendo pelo mundo colocam um contraste absurdo com essa nossa cidade rica e desigual. A cidade do PIBzão e do IDHzinho.

Fora que as redes têm conectado as pessoas que produzem energia positiva e pensamento criativo, coisas que são historicamente desencorajadas na cidade. Mas, agora que a informação não depende de acessar apenas os grandes meios de comunicação, essa teia tem colocado a imaginação e a ação à disposição de mudanças reais. Fato: nas redes a hierarquia não funciona e o autoritarismo fica ainda mais gritante e patético.

Só é uma pena que provavelmente não teremos um debate ao vivo em algum canal aberto de TV com os candidatos a prefeito. Aí, sim o quadro de despreparo e destempero ficaria nítido. No mínimo seria interessante para observar a falta que faz um fonoaudiólogo para os políticos da cidade. Mas aí já é sonhar demais…

Agora, se essa onda sentida nas redes sociais vai virar voto mesmo, isso é que o veremos… Ainda mais em se tratando do momento difícil pelo qual passa o Amiguzito e seu desastroso governo, onde o clima é de cada um por si. E mais ainda com a situação do lixo, da educação e da saúde sendo mostrados diariamente pelos meios de comunicação e pelos cidadãos comuns em seus perfis na Internet.

É isso: não tem jeito. Mais cedo ou mais tarde o fenômeno da horizontalização do poder vai solapar a politicalha, mas até essa onda chegar em Caxias muita água do Sarapuí passou debaixo da ponte do Gramacho…

 

 

.


heraldo hb

. Animador cultural, escritor e produtor audiovisual nascido no século XX. .

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookFlickrYouTube