“Êparrei Iansã, Êparrei Bela Oyá que seus ventos sempre tragam felicidade e alegria e afaste toda a tristeza de nossas vidas!”

O filme O Pagador de Promessas de Anselmo Duarte, baseado em obra de Dias Gomes, é ainda hoje um dos mais importantes da filmografia brasileira e o único ganhador da Palma de Ouro no Festival de Cannes. E também foi o primeiro filme da América do Sul a ser indicado ao Oscar de Melhor filme estrangeiro, na edição de 1963.

 

O ator e cineasta brasileiro Anselmo Duarte exibe a Palma de Ouro que ganhou no Festival de Cannes de 1962 com o filme “O Pagador de Promessas”.

A questão central está ligada a terra e o sofrimento do sertanejo e tem como argumento e tensão o poder de Oyá em curar um animal e a não aceitação das tradições de matrizes africana.

O personagem principal “é dono de um pequeno pedaço de terra no interior da Bahia. Seu melhor amigo é um burro chamado Nicolau. Quando este adoece, ele não consegue fazer nada para que o animal melhore, então faz uma promessa a uma Mãe de Santo de Candomblé: caso o burro se recupere, promete que dividirá sua terra igualmente entre os mais pobres e carregará uma cruz, desde sua propriedade até a Igreja de Santa Bárbara, em Salvador, onde a oferecerá ao padre local. Assim que seu burro se recupera, Zé dá início à sua jornada.”

 

Importante lembrar que Oyá, que recebeu de Xangó o belo nome de Iansã – radiante como o entardecer-, não é Santa Bárbara. A força do sincretismo fundiu estas duas mulheres, mas os ventos e raios de Iansã não podem ser confundidos com o raio de Santa Barbara. A força de Iansã como mulher guerreira, independente e que dá segurança São mulheres diferentes que alimentam nossos espíritos.

O Rei admira sua rainha que é bela, como os raios que cortam de laranja e vermelho o céu do fim do dia.


Eduardo Prates

Professor, cientista político, cidadão do mundo, flamenguista, imperiano, sujeito que acredita na auto-determinação dos povos para a construção de um mundo melhor.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook