A RP! é conhecida por realizar o Festival RP! um dos mais importantes festivais de protagonismo feminino no rock do pais. Desde sua primeira edição, em 2012, os quatro dias de shows tem impactado a vida de muitas mulheres. Tanto que desde a terceira, em 2015, não paramos de produzir mais impactos, ou projetos.

Carregando a proposta antissexista, e feminista, dos palcos para o Youtube nós criamos o Estúdio RP!, onde investigamos mais profundamente o processo criativo das mulheres na música. Inspirada nas lives sessions, onde bandas tocam sua música em estúdio, mais uma vez queríamos promover, agora na principal plataforma de streaming de música do mundo, bandas COM mulheres. Além disso, tínhamos as condições de montar uma equipe exclusivamente feminina, em especial na área técnica, a mais sensível para o patriarcado. Lançamos a primeira temporada em 2016 e a segunda em 2017, em um total de seis episódios com Sara Não Tem Nome, Banda Gente, Def, Canto Cego, LuvBugs e Carol Dall Farra, e Papisa e Viviane Laprovitta.

Nesta terceira temporada fomos selecionadas no edital nacional promovido pela OI Futuro, em meio a centenas de projetos. Fizemos parte do programa Labsônica, que promove experimentações sonoras. Foi a primeira vez que saímos do território da Baixada Fluminense, de onde a RP! sempre vai ser.  Esse espaço não se deslocou, pelo contrário, se estendeu. O que produzimos fala com a Baixada e com o mundo, não é de hoje. Adentrando o interior do estúdio o Labsônica e a RP! realizaram uma experimentação sonora-antissexista.  Queríamos saber os rituais das musicistas nesse ambiente de criação. Dezoito mulheres trabalham arduamente nesse formato e metodologia que estamos, todos os dias, inventando. Diferente das temporadas anteriores nos concentramos nos processos das artistas e em uma linguagem cinematografada. Seis grupos e uma artista solo compartilharam de seus rituais de criação conosco, montando um ambiente que desejamos que seja realidade, um dia, em todo um circuito de produção cultural.

Lançamos o primeiro dos seis episódios da 3ª temporada dia 13 de novembro. Não por acaso é com a Dembaia, uma banda de cinco mulheres pesquisadoras em música, que trazem som do oeste da África.  Há muito tempo a RP! abrange mulheres artistas de diversos gêneros e linguagens. Uma das características dessa proposta de novos modos de fazer arte é o afeto. As divisões conceituais não dão conta do afeto entre mulheres que vivem em um mesmo contexto, e celebram quando podem criar juntas, sem interrupções ou regras que limitam sua experiência. O rock and roll adentrou por entre nossos corpos pelo som que fazemos. Nada melhor do que começar pela mãe África. A mulher e seu ritual com a música, em um mundo que, para criar o seu ela precisará ter atitude, que na RP! o roquenrrol nunca deixou faltar.

Toda quarta-feira estaremos lançando um episódio inédito, em um total de seis da 3ª temporada, que ainda traz Navalha Carrera, Troá, Mulamba, Slam das Minas RJ com Tambores de Safo, e Guitarrada das Manas . Assista, é importante que se inscreva e compartilhe com todes.  Queremos que esteja na tela e em sua retina o resultado de todo esse longo e singular processo. Música para se empoderar!

#RoquePense #EstúdioRP #CanaRP #ApoieOtrampoDasMinas

roque pense - terceira temporada


Giordana Moreira

Produtora Cultural, fundadora da Roque Pense! rede de Mulheres Produtoras Culturais, e cria da Baixada Fluminense de onde faz rock, cultura urbana e feminismos para o mundo.

More Posts