Luiz Keller foi um cantor e compositor de Duque de Caxias, que embora não tenha alcançado grande projeção nacional, registrou momentos relevantes em sua carreira artística. No início dos anos 60, contratado da Rádio Nacional, tinha participação semanal no Programa César de Alencar, então a maior audiência radiofônica brasileira. Em seguida, foi vocalista (crooner, como se dizia) de grandes orquestras, entre elas a Tabajara de Severino Araújo.

No auge da Jovem Guarda, chegou a gravar alguns discos com músicas suas, que não fizeram sucesso. Mas foi como compositor que entrou para história daquele movimento, assinando algumas composições que se tornaram hits, na voz de outros cantores e bandas em ascensão no momento, a exemplo de Paulo Diniz e o grupo The Sunshines. É dele a letra em português de Pare o Casamento (Stop the Wedding), um dos maiores êxitos da discografia de Wanderléa.

Na era dos festivais, integrou a segunda formação da banda A Brazuca, formada por Antonio Adolfo – piano, Luiz Cláudio Ramos – guitarra, Luizão Maia – baixo, Victor Manga – bateria, ele e Bimba – vocais. A Brazuca marcou uma época na música brasileira, a partir de 1969, quando, ainda em sua formação original (Bimba e Julie nos vacais), venceu o IV Festival Internacional da Canção (FIC), da TV Globo, com a música Juliana (Atonio Adolfo e Tibério Gaspar).

Com A Brazuca, Keller participou do V FIC (1970), defendendo a canção Quebra Cabeça, de Paulinho Soares e Marcelo Silva. Quando a banda já estava gravando o seu segundo disco, sofreu um revés: morreu Victor Manga, um dos maiores bateristas do Brasil. O álbum só foi lançado no ano seguinte, com um novo baterista e uma faixa comovente, Tributo a Victor Manga, que teve a participação de Keller na composição da letra, embora na contracapa só constem os nomes de Adolfo e Gaspar.

Mas o ápice da carreira do artista só se deu em 1978, após ter se lançado num projeto ambicioso, denominado Trindade: Curto Caminho Longo. Trata-se de um documentário longa metragem, dirigido por ele e a cineasta Tânia Quaresma, talvez o melhor registro que já se fez sobre as imagens e os sons brasileiros. O filme tem a participação de Hermeto Paschoal, Joyce Moreno, Wagner Tiso, Egberto Gismonti, Marcos Resende, Nilvaldo Ornelas, Waltel Branco e muitos outros músicos de renome. A trilha sonora de Trindade foi lançada em álbum duplo, simultaneamente ao lançamento do filme, no Cine Roxy (Copacabana), com a presença de muitos dos participantes.

Nascido Luiz Carlos dos Santos Cunha, Luiz Keller morreu aos 57 anos, no Rio de Janeiro, em dezembro de 1998.

Luiz Keller


Eldemar de Souza