Tivemos o prazer de em 2012, no ano que fez cinquenta anos do SAQUE popular que abalou a região fluminense, iniciar as filmagens do 1962 O ANO DO SAQUE, direção de Rodrigo Dutra e Godo Quincas.

Foi lindo pois criamos uma atmosfera para as entrevistas, ao invés de utilizar os espaços pessoais e fazer aquele modelo de entrevista de estante de livros preferimos levar nossos entrevistados para uma imersão, depois de ver os arquivos históricos da nossa pesquisa eles comentavam sobre aquilo que tinham visto, proporcionando uma relação direta entre as fontes.
Essa estratégia possibilitou quebrar o gelo da entrevista e demonstrar que aqueles que estavam ali são ao mesmo tempo atores e espectadores da história.

Dona Jacira, falou das dificuldades com o transporte em Caxias, ressaltou a ação dos comerciantes que colocaram a bandeira do Brasil na porta dos estabelecimentos para não serem saqueados.

.

Dona Maria, disse que não foi vandalismo, foi o medo da FOME.
.
Getúlio Gonçalves, fez parte da TURMA DO ESCULACHO, herói ou demônio do SAQUE?
.
Professor José Cláudio disse que o SAQUE foi um dos momentos de construção dos grupos de extermínio e da ideia do matador como herói.
.
O Jornalista Eldemar disse que o SAQUE começou no mercado São Vicente.
.
A Historiadora Marlucia Santos, disse que o congresso fez uma verdadeira armação e instituiu em fins de 1961 o parlamentarismo (que regeu todo o ano de 1962).
.
O artista Paulo Ramos, disse que não saqueou, mas que era possível ver, depois de alguns dias, pessoas comercializando os produtos da pilhagem.
.
O professor Rogério Torres que na época morava num edificio ali perto, vivenciou as vicissitudes do SAQUE de sua janela.
.
rogeriotorres-paulloramos
Paulo Ramos e Rogério Torres, dois personagens importantes para a história da Baixada Fluminense.
.
.
Mais sobre o filme e como contribuir para a finalização: https://www.facebook.com/1962OAnoDoSaque?fref=ts