Pense numa coisa ridícula. Muita coisa por aí, né? Ainda mais nesses tempos loucos onde os limites estão cada vez mais difíceis de se definirem e figuras como os Bolsonaros da vida distribuem vergonha alheia a torto e a direito em todos os meios de comunicação… Mas, certamente, poucas coisas são mais patéticas do que os políticos tradicionais querendo dar uma de antenados nas redes sociais da Internet – os da Baixada então… É triste chegando a deprimente – quando não é hilário.

Alguns ainda tentam dar uma mascarada, deixando algum cambono abastecendo conteúdo catado da própria rede, ou aquele sobrinho que “entende de computador”, ou ainda contratando profissionais para ver se conseguem passar alguma imagem diferente daquela que é notoriamente estampada em suas caras de pau.

Em Caxias, onde a opinião além de não ser estimulada e valorizada, ainda é perseguida, aí o quadro é mais sofrível.

Acompanhar todos os candidatos caxienses via Twitter na eleição passada, por exemplo, foi uma experiência dura de viver… Todos os dias surgiam incríveis pérolas de auto-ajuda e a recorrência de frases de grande conteúdo do tipo “obrigado povo do Centenário por nos receber”, “amanhã estaremos caminhando pelo Pantanal” – e só. Propostas concretas, debates de verdade – nada.

Fora que depois da campanha: silêncio total…

A verdade nua e cruel é que a Internet, e sobretudo as redes sociais, estão revelando e dando vazão aos anseios mais profundos do sentimento de democracia. Não essa democracia falcatrua que os políticos vivem apregoando toscamente, mas a real busca pela solução dos problemas básicos da coletividade, a garantia da diversidade e a busca da qualidade de vida nas cidades.

As redes sociais são as novas praças e nelas é impossível ser apenas uma imagem forjada a dinheiro e coerção. Não dá para enganar e quem sempre viveu de enganação se dá mal. Estar na rede é uma experiência de se abrir para a evolução da sociedade baseada no diálogo entre os diferentes, nas cartilhas do respeito e do interesse público. E isso, meus amigos, não rima nada com coronelismos e autoritarismos tão conhecidos por essas bandas.

O conselho mais sensato que os marqueteiros de plantão que se preparam para a eleição que vem aí deveria ser: caro político, semancol faz bem e se você não tem o que dizer, fuja da Internet já!

 


heraldo hb

. Animador cultural, escritor e produtor audiovisual nascido no século XX. .

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookFlickrYouTube